Topo

20 Janeiro 2018 2:03 pm

Pets mandam bem como terapeutas e ajudam no tratamento de doenças

Pets mandam bem como terapeutas e ajudam no tratamento de doenças

Animais que curam

Na alegria ou na tristeza, na saúde ou na doença. O juramento dos matrimônios se encaixa muito bem na fidelidade dos animais de estimação. Inclusive, hoje a última parte pode ser levada ao pé da letra: está se tornando cada vez mais comum que os pets colaborem para a recuperação de pacientes dos mais variados casos clínicos.

“A Terapia Assistida por Animais (TAA) consiste em tratamentos na área da saúde, onde um animal é co-terapeuta e auxilia o paciente a atingir os objetivos propostos para o tratamento”, ensina Laís Milani, psicóloga e membro da diretoria da área de Terapia Assistida por Animais do Instituto Nacional de Ações e Terapias Assistidas por Animais (Inataa).

Saiba como funciona

Não há uma recomendação específica de quem pode ser ajudado pela pet terapia. Qualquer paciente pode ser beneficiado, desde que não haja alguma contraindicação, como por exemplo, medo de animais, alergia ou problemas de respiração, entre outros.

Ajuda em casos de paralisia

A pet terapia pode ajudar na reabilitação de pacientes de um derrame cerebral, vítimas de acidentes ou portadores de paralisia cerebral, entre outros quadros que envolvem a paralisia.

Os cães, por exemplo, podem ser usados durante os exercícios inclusive, o que tira o foco do tratamento para a doença, e o torna uma brincadeira, mesmo para o adulto.

                                                                     #TAA                                                           #FicaBem 
Decisão animal – No Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), em Cuiabá, a entrada de bichos de estimação é liberada desde que autorizada pelo médico responsável de cada paciente.

   Participe do #MeuBichoeEu #GazetaDigital Mande sua foto no whats (65) 9.9987-2065

Reduz o estresse…

É comprovado que o contato com os animais ajuda a liberar diversos hormônios do bem: endorfinas beta, prolactina e oxitocina. Eles todos atuam regulando as taxas de cortisol, hormônio relacionado ao estado de alerta, o que reduz o estresse.

E trata o câncer

O tratamento do câncer, principalmente com radioterapia ou quimioterapia, resulta em muitos efeitos colaterais e desgastes nos pacientes. Nesses casos, há uma grande melhora terapêutica no convívio com animais, com uma série de benefícios.

Benefícios para os idosos…

Os animais são usados em idosos que apresentam o mal de Alzheimer, mas não existem ainda muitas pesquisas corroborando essa relação. “Observamos, porém, que o contato com o animal proporciona alguns benefícios que podem ajudar na diminuição do impacto emocional desta patologia”, descreve a psicóloga Laís Milani.

E nas doenças cardíacas

Uma pesquisa realizada pela Baker Medical Research Institute comprovou que proprietários de cães e gatos apresentam taxas menores de colesterol e triglicérides que aqueles que não tinham animais. Ambas as taxas favorecem a aterosclerose, formação de placas que entopem as artérias, possibilitando infartos e outros problemas no coração.

Melhora os quadros de depressão

É um consenso entre os especialistas que estar com um animal de estimação aumenta a autoestima, senso de valor próprio, o estabelecimento de hábitos positivos e o interesse pelo outro. Tudo isso pode beneficiar pacientes depressivos, que apresentam problemas nessas áreas.

“Estudos verificaram um aumento da produção e liberação da serotonina e dopamina, hormônios responsáveis pela sensação de prazer e alegria, após 15 a 20 minutos de interação com o cão”, reitera a psicóloga Cristiane Blanco.

 

Gazeta MT/Nathalie Ayres

Postagens Relacionadas

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *