Topo

20 Janeiro 2018 1:28 pm

Mato Grosso possui o único pedágio indígena regulamentado do país

Mato Grosso possui o único pedágio indígena regulamentado do país

O fim da tarde do dia 29 de junho se aproximava e a temperatura estava caindo. Depois de viajar por quase 400 quilômetros, entravámos na reta final da viagem com destino a Sapezal (499 km de Cuiabá), município que está entre os que mais produzem grãos no país.

Ao longo das cinco horas de viagem que separavam a capital do nosso destino, as lavouras de milho, prontas para serem colhidas, refletiam um amarelo ouro no para-brisas, por vezes atrapalhando a direção.

Menos de 15 quilômetros depois da passagem por Campo Novo do Parecis, última parada antes do fim da viagem, o cenário mudou. No lugar das lavouras e colhedeiras que valem milhões, uma mata verde, forte e densa chama a atenção. Ali começava a terra dos índios Paresí.

Para seguir viagem e cruzar cerca de 50 quilômetros dentro da Reserva Indígena Paresí foi preciso pagar um pedágio ou, melhor, o direto de passagem. Com um posto improvisado e uma oca, é ali que funciona o único posto de pedágio indígena regulamentado do país.

A tarifa é cobrada na MT-235, que está pavimentada. Atualmente, são R$ 50 para carretas, R$ 30 para caminhões, R$ 20 para carros de passeio e R$ 10 para motos. Os valores são mais altos do que os cobrados pela Rota Oeste, única concessionária a gerir pedágios no Estado, cujas tarifas variam entre R$ 3,80 e R$ 7.

O pagamento é feito no improviso, no meio da rodovia. Um a um, os motoristas vão sendo parados. Parte reclama do preço. “Aqui, pago R$ 10 a mais do que na BR e não tenho auxílio ou guincho caso precise”, disse um caminhoneiro que carregaria milho em Sapezal.

Enquanto uns se queixam, outros comemoram. É o caso do representante comercial Ronaldo Lima, que faz a rota a cada quinze dias. “É mais fácil e rápido, não acho ruim. O Estado é gigante, e um atalho no trecho é sempre bem-vindo. Já perdi as contas de quanto paguei”, declarou.

Alternativa

O trecho, na verdade, é uma alternativa à BR-364, na qual os motoristas teriam que fazer um desvio de quase 250 quilômetros para chegar a Sapezal.

Com um sistema de rodízio que se renova a cada 45 dias, sete aldeias se revezam na arrecadação. A operação é acompanhada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) desde meados dos anos 2000, quando foi feito um acordo entre os índios e o Ministério Público para que o trecho pudesse ser pavimentado.

“O que a população precisa entender é que essa cobrança não se trata de um pedágio, mas sim do direito de passagem”, explicou o chefe do Serviço de Gestão Ambiental e Territorial da Funai, regional Cuiabá, Rodrigo Coimbra.

Como exemplo, o servidor explica a situação de um produtor rural, quando há uma estrada aberta em meio às suas terras. “Ele tem todo o direito de dar passagem ou não”, explicou. “E há outra opção para quem não quiser pagar”, acrescentou.

Pedágio

 

Gazeta MT/Jna Noticias

Postagens Relacionadas

1 Comentário

  1. Sandra

    Então temos direito de cobrar pedágio dos índios também, afinal eles circulam livremente por nossas cidades e rodovias que NÃO são área indigena e nem reserva indígena.

    Resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *